Publicado em Deixe um comentário

Medo infantil: conheça os mais comuns em cada fase – Tonia Casarin

Seu filho tem pavor do bicho papão, de perder alguém da família, de um ambiente escuro ou de ficar sozinho? Não se assuste: o medo infantil representa um sinal da evolução do pequeno para sua própria independência

Cada medo infantil pode ser real ou não. Às vezes, é apenas uma interpretação pelos olhos dos nossos filhos.

Existem fases e medos mais comuns de acordo com a idade das crianças. Desde o momento em que eles chegam a esse mundo e se dão conta da “própria existência” até ao momento em que não podem errar uma questão da prova na escola.

Vamos falar um pouquinho sobre eles? Neste post, vamos saber como o monstrinho do medo infantil ataca em cada fase da criança. Confira:

Medo infantil faz parte da vida e do crescimento.

Como o medo infantil aparece?

Mesmo os bebês já vivenciam o processo de sentir medo. Eles têm pavor de estranhos, por serem diferentes daqueles que participam da sua convivência diária. São desconfiados, atentos a qualquer “indivíduo” que não seja “mamãe e papai” ou,  ainda, qualquer pessoa que não faça parte do círculo de segurança dele.

E na consulta de pediatria? Vixe! Aí mesmo que as crianças grudam no pescoço das mamães. Esse medo infantil é supernormal, já que o médico é realmente um “indivíduo estranho” na visão dos pequenos. Por esse motivo, os profissionais têm que ter uma paciência enorme e jogo de cintura para contornar a situação.

O medo infantil muda com a idade?

Com o passar do tempo, as fobias vão mudando. Na faixa de 1 a 2 anos, os medos variam entre coisas que se mexem, barulhos fortes, ou mesmo a água do chuveiro na hora do banho. 

Se o seu filho sofre com algum deles, pense em alternativas. Por exemplo, não precisa ter o sofrimento para tomar banho, tente distraí-lo com brinquedos ou até mesmo atividades para torná-lo mais atrativo. Você vai ver o quanto mais fácil vai ser.

Aos poucos, nossos filhos vão se tornando mais independentes, e seus medos mudam.

Independentemente de quais sejam, tenha paciência, respeite e acolha seus filhos e pense que são fases.

Na fase de 3 a 4 anos, a criatividade de nossas crianças se aflora e tudo fica mais fantasioso. Se ele assiste a um filme sobre piratas, pode achar que aquilo é real, que aqueles personagens realmente existem e podem vir pegá-lo. Assim, surge mais um medo infantil. 

Isso também pode acontecer em algum momento em que ele não queira ficar sozinho no quarto porque há monstros ou outras fantasias que ele mesmo cria. O importante nesse momento é ter o diálogo com seu filho e mostrar que aquilo não é real. Entenda e respeite o medo deles.

A partir dos 4 anos, os medos começam a fazer mais sentido com a realidade. Como perder um ente querido, errar, ser abandonado ou sofrer com a rejeição social.

Medo infantil é normal, não tire isso de seu filho.

Assim como nas crianças, nós também sentimos medo. E esse medo vai evoluindo ao longo do tempo e conforme cada fase da nossa vida. E, por que não, dividir seus medos com as crianças? Esse simples ato aproxima e aumenta a conexão entre vocês.

Como você viu, o medo infantil é um monstrinho que acompanha seu filho em diversas fases da vida. No entanto, você deve ajudá-lo a enfrentar essa dificuldade – mas o cuidado muda com o passar do tempo. O importante é que os pais se mostrem abertos a ouvi-lo, para que, assim, ele sinta confiança em compartilhar suas aflições. Aprenda mais sobre o monstrinho do medo e outros tantos monstrinhos no curso Emoções em Família!

Você se lembra do monstrinho do MEDOBaixe ele aqui! 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *